Publicado na 5 de abril de 2012

por Noelma Brocanelli *
convidados@blogdacomunicacao.com.br

“A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele e, com tal gesto, salvá-lo da ruína que seria inevitável não fosse a renovação e a vinda dos novos e dos jovens”.
[Hannah Arendt, Entre o passado e o futuro, 2002, p. 247]

Hannah Arendt, filósofa política alemã – uma das mais influentes do século XX –, escreveu o pensamento em meados dos anos 1950. Mais de meio século depois, suas palavras ainda ressoam como solução de muitos dos problemas de diversas nações.

Considerando, assim, a educação como base sustentável de uma cultura, a responsabilidade pela seleção de obras que vão percorrer o território nacional brasileiro não é pequena. Uma série de fatores deve ser considerada, avaliada e, por que não, estudada para que cada uma das obras atinja seus objetivos: chegar ao leitor, à sala de aula e, principalmente, levar conteúdo educativo de qualidade.

Avaliar o mercado de trabalho, pensar a economia, manter-se informado sobre os cursos mais concorridos das universidades de todo o país – tendo em vista a diversidade sociocultural que temos, esse fator pode variar significativamente –, é rotina diária do processo de seleção e produção das obras. Ainda nas universidades, a avaliação das grades curriculares e a reflexão acerca das lacunas existentes de obras, fundamentais para o estudante brasileiro, torna-se um desafio e, digamos, um quebra-cabeça. Os livros destinados a profissionais enfrentam um processo muito parecido, com avaliação do mercado e dos temas mais atuais.

É por meio da parceria das editoras com professores universitários, e também com profissionais altamente gabaritados em suas áreas de atuação, que o desenvolvimento de um catálogo editorial eficiente torna-se real. A Cengage Learning, desenvolvedora de soluções de aprendizagem, conta com inúmeros professores não apenas para a avaliação de suas propostas de edição, mas também no processo de produção editorial, com o objetivo de garantir máxima qualidade em suas publicações e em seus projetos de educação.

Atualmente, a educação – e a renovação mencionada por Hannah Arendt –, ganhou ainda mais destaque e desafia a todos a reinventá-la. Pensar somente o livro não basta. A produção do conhecimento também exige a criação de soluções digitais que invadem a cada dia tanto o mercado profissional como as universidades. A importância das adaptações de conteúdo acadêmico e profissional para um leitor que deseja atualizar-se também por meio das ferramentas digitais tem sido o mais novo desafio das editoras. A Cengage Learning atua na produção de livros universitários e no desenvolvimento de soluções digitais para universidades, instituições e empresas, contribuindo, dessa forma, com novas plataformas de conteúdo para a educação. No site da Cengage Learning, há um grande catálogo de obras e inovadores projetos digitais.

Felizmente, a educação, desafiadora em sua essência, nos contempla com mais um episódio na era digital e propõe novos pensamentos acerca de sua aplicabilidade.

* Noelma Brocanelli é formada em Letras, Mestre em Literatura Brasileira pela USP e supervisora editorial na Cengage Learning. Atua na área editorial há dez anos.

Créditos: http://blogdacomunicacao.com.br/a-importancia-dos-livros-academicos/