Publicado na 4 de maio de 2016

Professores da USP destacam a importância de lançar “Química Forense Experimental”, uma obra especialmente voltada à formação profissional.


Pela primeira vez, é lançado um livro em português que aborda a química forense de forma a auxiliar a formação profissional. Trata-se da obra Química Forense Experimental (Cengage Learning), escrita por 41 autores especialistas, entre eles, peritos criminais, professores e pesquisadores. Organizado pelos professores brasileiros Bruno De Martinis e Marcelo de Oliveira, o título contribui para a formação do profissional de química forense.

A química forense compreende a aplicação dos conhecimentos da química na resolução de casos judiciais. “As aplicações são inúmeras, tais como: análise de substâncias químicas entorpecentes em amostras apreendidas; identificação de resíduos de disparos de arma de fogo; e exames de adulteração em produtos comerciais, como bebidas, alimentos, combustíveis, dentre vários outros exames”, explica De Martinis, que é professor associado do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP/USP).

Segundo Oliveira, apesar de o Brasil ter ganhado, recentemente, obras destinadas às ciências forenses, notava-se uma carência de livros voltados para o ensino da química forense, especialmente em aspectos práticos laboratoriais. “Temos disciplinas práticas específicas em nosso curso de graduação em química forense e, muitas vezes, tínhamos que utilizar material didático oriundo de obras sem o devido enfoque forense”, conta o docente do Departamento de Química da FFCLRP/USP. Foi para preencher essa lacuna que surgiu a ideia de escrever um livro voltado às necessidades destas disciplinas.

Embora cansativa, os professores avaliam a experiência de organizar o livro Química Forense Experimental gratificante. “A possibilidade de convidar profissionais especialistas em cada técnica descrita na obra, possibilita, sem dúvida, um resultado final interdisciplinar e agregador. Adicionalmente, tem-se a oportunidade de se conhecer um pouco mais sobre a personalidade de cada colega, seus estilos literário e de trabalho, seus comprometimentos com a obra e com a divulgação do conhecimento científico”, fala De Martinis.

Ao lançar o livro, voltado para cursos de graduação e pós-graduação em Química e Farmácia, os organizadores esperam incentivar a elaboração de mais obras destinadas ao âmbito forense em todas as áreas do saber, com propostas de práticas laboratoriais no final de cada capítulo.

Química Forense Experimental

“Além de apresentar as principais técnicas de análise utilizadas em química forense, o livro oferece propostas de experimentos de laboratório no final de cada capitulo, contribuindo para o aspecto didático do tema”, diz Oliveira. A obra também expõe com profundidade o aspecto técnico e com rigor científico a produção de provas judiciais em laboratório, demonstrando aos alunos que a base teórica é imprescindível para a análise e o entendimento jurídico da prova produzida.

Ao longo de 22 capítulos, são abordadas diversas técnicas clássicas e instrumentais de análise química, como métodos colorimétricos, espectrométricos, técnicas de separação e métodos eletroquímicos. Cada capítulo também contém estudos de casos e uma proposta de roteiro experimental para prática de laboratório, com questões complementares. Com isso, o objetivo dos autores é incentivar a discussão minuciosa das técnicas de análise química no contexto da Química Forense, discorrendo sobre suas vantagens operacionais e suas limitações.