Publicado na 7 de Janeiro de 2011

Foi recomendado por Luciano Marino, no blog Louco, não. Publicitário., nosso livro sobre Publicidade:

“Senhoras e senhores, este será um grande ano e teremos muitas novidades por aqui (clichê isso!). O que quero dizer é que em breve teremos um novo blog, mais pratico e objetivo, com domínio próprio, um layout mais enjoado… essas coisas. Enquanto isso não acontece, vamos ao primeiro post do ano da nossa categoria de grandes livros.


Publicidade e Cia., organizado pelos professores Osvaldo Takaoki Hattori Malena Segura Contrera é uma obra que merece toda nossa atenção. Eu explico. Primeiro, apesar de não ser um volume extenso, trata-se de uma abordagem detalhada de alguns conceitos fundamentais para se fazer uma boa publicidade.


Logo no primeiro capítulo, escrito pelo redator publicitário e professor das Universidades Mackenzie Anhembi Morumbi, Celso Figueiredo, o livro apresenta o tema “consumo”. Sob uma forma diferenciada de pensar no assunto, a primeira pergunta do livro é fascinante. Afinal, o cliente tem mesmo sempre razão? E a resposta é um canoro não.


Pessoas são únicas e nós publicitários insistimos em tratá-las como “público-alvo”, como se todas fossem iguais, como se um apelo funcionasse igualmente para todos os consumidores. Na verdade, a base da propaganda ainda reside na chamada comunicação de massa. E ai vem o exemplo mais pertinente de todos, em que Henry Ford – criador da primeira linha de produção do revolucionário Ford T – ao ser informado por um de seus funcionários de que alguns consumidores queriam carros coloridos, Ford cunhou a frase que ficou mundialmente conhecida como a síntese da massificação: “Os clientes poderão ter o Ford T em qualquer cor, desde que seja o preto”.

Com o desenvolvimento do marketing e das estratégias de comunicação foi-se notando que, quanto maior o grupo de consumidores, menos interesses em comum cada um de seus componentes teria com os outros. O homem de propaganda deve estar constantemente sintonizado com as necessidades prementes e imediatas que devem ser satisfeitas para agradar o cliente e motivar o consumidor, de forma a propiciar o tão esperado retorno comercial.

Em um outro capítulo, o tema “publicidade x arte” é discutido com extrema relevância. As críticas que sofre a publicidade, por conta de sua estreita associação com o capital, não impedem sua aceitação popular nem a filiação de mais e mais artistas a cada dia que passa. A legitimidade alcançada não tardará a trazer o reconhecimento que diversos autores já lhe conferem. E nessa visão, nem profana, nem sublime. A arte é manifestação humana, e a publicidade é uma de suas vertentes.

E finalmente o capítulo que trata do mito na publicidade. É onde vemos a questão central com a qual a comunicação de massas opera: se o que é mítico precisa de ritualização para permanecer, seguindo esse princípio, o que se repete e permanece se legitima e se mitifica. Sem dúvidas, um ótimo livro para quem se interessa em conhecer com mais profundidade alguns aspectos que formam um grande profissional de publicidade. É uma ótima maneira de começar o seu calendário de leitura para 2011.”
::
PUBLICIDADE E CIA.

Organizadores: Malena Segura Contrera e Osvaldo Takaoki Hattori
Categoria: Marketing e Comunicação

Leia mais no blog “Louco, não. Publicitário.”