Publicado na 29 de outubro de 2015

Para Antonio Munhoz, autor do livro “ABP” da Cengage Learning, a EAD pode transformar o aluno em protagonista, além de estimular a colaboração e enriquecer o relacionamento com os professores.


A aplicação da metodologia de Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) – que estimula o aluno a ser proativo na busca por conhecimento – ainda enfrenta resistência e más práticas, especialmente nos ambientes virtuais de ensino. De olho nesse cenário e com o objetivo de ampliar o debate sobre o tema, a Cengage Learning lança o livro ABP – A aprendizagem baseada em problemas em ambientes virtuais de aprendizagem, de autoria de Antonio Munhoz, especialista em tecnologia educacional.

Em entrevista, o autor propõe o desenvolvimento de um novo modelo educacional que privilegie a valorização da qualidade do ensino e da aprendizagem ao fazer uso das tecnologias para a educação. Tratar da aplicação da metodologia ABP em ambientes virtuais e apresentar uma abordagem interativa são alguns dos diferenciais de seu livro.

Abaixo, confira a entrevista:

 

Em que consiste a metodologia Aprendizagem Baseada em Problemas?

Ela representa a proposta de uma nova metodologia voltada para aumentar o envolvimento do aluno, sua motivação e uma participação ativa no processo de ensino e aprendizagem, com o suporte do professor como orientador. São paradigmas que estão em constante evolução e podem aumentar a qualidade dos resultados em ambientes enriquecidos com a tecnologia.

 

Quais são os principais desafios e resistências que a ABP enfrenta? Esse cenário se mantém na EAD?

O desafio e as reações consequentes acontecem, principalmente, por retirar os agentes educacionais de sua zona de conforto e exigir novos comportamentos e atitudes que podem recuperar o encantamento do relacionamento entre os professores e alunos, que se encontra em declínio nos ambientes tradicionais de ensino. Caso estes comportamentos sejam repetidos nos ambientes enriquecidos pela tecnologia, resultados negativos podem ser amplificados pela ausência de encontros presenciais.

 

No seu livro, você propõe um novo modelo educacional que privilegia a qualidade do ensino e da aprendizagem ao fazer uso das tecnologias para a educação. Pode falar mais sobre ele, por favor?

A chegada de uma nova geração digital aos bancos escolares das universidades, independente da forma de entrega do conhecimento (presencial, b-learning, e-learning, m-learning), ocorre com expectativas que frustram as formas como ela está acostumada a se comunicar. O afastamento da escola do mercado de trabalho não atende os alunos no que diz respeito às expectativas de saber por qual razão estão aprendendo determinada matéria. Por isso é importante o trabalho com conteúdo relevante, que pode ser escolhido pelo próprio aluno, e efetivação da aprendizagem significativa para chegar a um modelo como o que está proposto nas pesquisas e no estudo de caso efetivado. Assim, o aluno teria participação não mais como figurante, mas como protagonista e ajuda a definir o que vai estudar, os conteúdos relacionados, de acordo com seu ritmo e características particulares de aprender, sob a sinergia que os trabalhos em grupo podem incentivar nos ambientes de ensino e aprendizagem. A colaboração ativa delega responsabilidades que levam a uma participação ativa.

 

Como aplicar a ABP em ambientes virtuais de forma eficaz?

É necessário orientar os alunos para a aprendizagem independente e para o desenvolvimento de novas formas de comunicação que afastem relacionamentos de poder. A importância da participação do professor na vida do aluno se efetiva, afastando o medo que ele pode ser substituído pela tecnologia – situação desmistificada e contrariada em um processo de interação ativo e efetivação da presença social do professor na vida do aluno, efetivada nas redes sociais ou nas comunidades de prática. Nesta perspectiva, o ambiente ganha novo contorno de recuperação da riqueza do relacionamento entre professores e alunos, uma das propostas principais na recuperação da qualidade da aprendizagem obtida.